sexta-feira, 26 de julho de 2013

NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO


Tabela elaborada para acompanhar a evolução da escrita dos alunos.


                       NÍVEL DE ESCRITA

                                      CARACTERIZAÇÃO
     EXEMPLOS:
§          BRIGADEIRO
§          PIPOCA
§          SUCO
§          BIS
P
R
         
       
                  Grafismo Primitivo

Predomínio de rabiscos e pseudo-letras. A utilização de grafias convencionais
é um intento para a criança.
Desenvolvem procedimentos para diferenciar escritas.


É
   
            Escrita sem controle de
                   quantidade

A criança escreve ocupando toda a largura da folha ou do espaço destinado
a escrita.
A R M S MO H A O R U I L N M
A M T O X A M H N TS K H U I
M H O T I P E R T C L P M N B O
A T R O C D G P E S IP U T D F F

     
                 Escrita Unigráfica

A criança utiliza somente uma letra para representar a palavra.
A
L
F
C
S
I
            
                     Escrita Fixa
A mesma série de letras numa mesma ordem serve para diferenciar nomes.
Predomínio de grafias convencionais.

A L N I
A L N I
A L N I
              A L N I
L
Á
      
             Quantidade variável
           Repertório Fixo/Parcial
Algumas letras aparecem na mesma ordem e lugar, outras letras de forma
diferente. Varia a quantidade de letras para cada palavra.
S A M T
A M T
A M T S A
S A T
B
I
  
              Quantidade constante
               Repertório variável                      

Quantidade constante para todas as escritas. Porém, usa-se o recurso da
diferenciação qualitativa: as letras mudam  ou muda a ordem das letras.
HRUM
ASGK
ONBJ
CFTV
C
A
        
             Quantidade variável
              Repertório variado
Expressam máxima diferenciação controlada para  diferenciar uma escrita
de outra.
R A M Q N
A B E A M F
G E P F A
O S D L

Quantidade e repertório variáveis
          Presença de valor sonoro
                 início e/ou fim

Variedade na quantidade e no repertório de letras. A criança preocupa-se
em utilizar letras que correspondem ao som inicial e/ou final.
I M S A B R O
I B R N S A
U R M T O
I N B O X I X

Sem valor sonoro: a criança escreve uma letra para representar a sílaba
sem se preocupar com o valor sonoro correspondente
R O M T
B U D
A S
R


Iniciando uma correspondência sonora: a criança escreve uma letra para
cada sílaba e começa a utilizar letras que correspondem ao som da sílaba.

I T M O
P Q A
R O
G I
                  SILÁBICA
Com valor sonoro: a criança escreve uma letra para cada sílaba, utilizando
letras que correspondem ao som da sílaba; às vezes usa só vogais e outras
vezes consoantes e vogais.

I A E O – B H D O
I O A – P O K
U O – S C
I S – B I


Silábico em conflito ou hipótese falsa necessária: momento de conflito
cognitivo relacionado à quantidade mínima de letras (BIS/ISIS) e a
contradição entre a interpretação silábica e as escritas alfabéticas que
têm sempre mais letras. Acrescenta letras e dá a impressão que regrediu
 para o pré- silábico.


B H D U L E
I O K E C
U O K U
I S I S
                
      SILÁBICA - ALFABÉTICA
A criança, ora escreve uma letra para representar a sílaba, ora escreve  a
sílaba completa. Dificuldade é mais visível nas sílabas complexas.


B I H D R O
P I P O K
S U K O
B I Z


                   ALFABÉTICA
 A criança já compreende o sistema de  escrita faltando apenas apropriar-se
das convenções ortográficas; principalmente nas sílabas complexas..

BRIGADEIRO
PIPOCA
SUCO
BIS


Essas informações são parâmetros que ajudam a compreender as hipóteses das crianças sobre o sistema de escrita e assim poder planejar e intervir intencionalmente para que avancem. As crianças são complexas e muitas vezes não se encaixam nas “gavetinhas”, é preciso investigar, usando diferentes estratégias para conhecê-las.

Fonte: equipe pedagógica da Escola Municipal Professora Maria Alice Pasquarelli, em São José dos Campos (SP)


Nenhum comentário:

Postar um comentário